Posso dizer que pelo menos da metade da minha vida pra frente, sempre fui meio exigente na hora de comer. Não gostava de frituras, estava sempre ligada nas calorias e gorduras dos produtos que eu consumia… mas até então não fazia a menor ideia do que eram alimentos orgânicos.

Quando morei nos Estados Unidos em 2001 já existiam supermercados especializados nesse tipo de alimento. Até então, com 19 anos, não tinha muita consciência do que isso significava. Na época eu estava na minha fase mais “natureba” e achava melhor e mais saudável consumir alimentos orgânicos mesmo sem entender bem o porquê. Parecia de alguma forma que eles eram mais naturais e, portanto, mais saudável. Enquanto isso no Brasil, mal se ouvia falar a palavra “orgânico”.

Em 2010 fiz um curso de meditação/respiração onde pediam abstenção de carne (de qualquer animal), cigarro, café e qualquer substância que pudesse interferir no organismo de alguma forma por uma semana. A partir desse dia, nunca mais consegui colocar um pedaço de carne na boca. Não era apenas nojo que eu sentia, mas com a consciência de todo o caminho da carne até nossa mesa, dos impactos nos animais e no meio ambiente, me senti totalmente desconectada dos motivos que me levavam a consumí-la. Era óbvio pra mim não querer mais fazer parte desse ciclo.

Além de ser vegetariana, sempre me preocupei com o meio ambiente. Alguns amigos me acham um pouco chata com minhas práticas “ecológicas” e acreditam que essa história de preservação do meio ambiente é coisa de “ecochato”.

Com o passar do tempo, os orgânicos foram ganhando mais espaço em São Paulo e um certo dia me dei conta que consumir alimentos produzidos em escala industrial era um grande problema para o meio ambiente e para a saúde das pessoas e dos animais. Comecei a ver filmes que diziam que muitas doenças são causadas pelo consumo de agrotóxicos, pessoas que prezam a alimentação orgânica como base de uma vida saudável… A partir de então, a única coisa que me parecia sensata era a priorizar os alimentos orgânicos dentro de casa e da minha vida.

E foi assim que os orgânicos ganharam espaço no meu dia a dia.

Sem querer, no aniversário de um amigo, encontrei uma amiga (conhecida de outros tempos) e ficamos um tempão conversando. Foi quando começamos a falar sobre alimentação vegetariana, orgânica e nos empolgamos. Não existia nenhum site que agregasse essas informações, que falasse sobre lugares orgânicos, feirinhas, entrega de cestas orgânicas. Acabamos nos juntando para levar em frente o projeto de informar/conscientizar pessoas da importância e o bem que faz ter uma alimentação orgânica!

Infelizmente ela acabou tomando conta de outro projeto e não tinha mais tempo de levar essa ideia pra frente, mas como apaixonada pelo tema e consumidora de orgânicos, ela sempre está de olho nas novidades e é colaboradora oficial do blog!

Eu assumi o projeto, resolvi seguir em frente e aqui estou!

Bem-vindos ao Nosso Mundo Orgânico!

Bianca Pulice, 33 anos, empresária.
https://www.facebook.com/biancapulice