Qual é a diferença entre ovos de granja, ovos caipira e ovos orgânicos?

Você sabe qual é a diferença entre ovos de granja, ovos caipira e ovos orgânicos?

Na Bio Brazil Fair que aconteceu na Bienal do Ibirapuera em São Paulo nos dias 04 a 07/06/14, vi uma garota chocada no stand da Korin (pronuncia-se Kô-rin) ao descobrir que os ovos deles não são orgânicos. É, eu sei como é essa sensação…já passei por isso também e fiquei arrasada, me senti enganada. Na verdade a Korin nunca disse que seus ovos são orgânicos, na embalagem deles não tem nenhum selo atestando isso. Mas como a marca Korin é conhecida por seus frangos orgânicos, acredito que a confusão se inicie aí.

Mas nem tudo está perdido! Os ovos Korin não são orgânicos ainda (o pessoal do stand da Korin disse que ainda esse ano vão lançar sua linha de ovos orgânicos), mas são certificados com o selo de Bem Estar Animal da HFAC (Humane Farm Animal Care) – outorgado pela certificadora Ecocert – que é um protocolo de certificação conferido às empresas produtoras que implantam e seguem normas rigorosas com relação ao Bem Estar Animal (selo Certified Humane).

Isso significa que as galinhas poedeiras da Korin têm uma alimentação saudável e vegetariana (galinhas normais podem comer entre outras coisas, vísceras de animais! ECA!), liberdade de movimento, bebedouros disponíveis, número máximo de galinhas por poleiro, controle de saúde e parasitas (são tratadas com antibióticos apenas por razões terapêuticas e administrados por um veterinário), o uso de promotores de crescimento é proibido, à noite a luz é apagada gradualmente evitando o amontoamento das galinhas e propiciando um ambiente mais natural para que elas possam dormir, as aves não ficam em gaiolas e botam os ovos em ninhos. Sabendo disso, fiquei aliviada. Mesmo não sendo orgânicos, as galinhas não sofrem, comem apenas ração vegetariana e não recebem antibióticos indiscriminadamente. Ufa!

Mas vamos a pergunta que não quer calar: qual é a diferença entre os tipos de ovos que temos disponíveis para compra no supermercado? Eu sei, é complexo, faltam informações nas embalagens e toda pessoa “acha” alguma coisa diferente. Como vou ter certeza se o ovo que diz que é orgânico é mesmo orgânico se ele não tem nenhum selo atestando isso? Como eu vou saber que tipo de alimentação as “galinhas caipiras” receberam se o produtor não explica? Afinal, para ser considerado caipira, a alimentação das aves deveria ser apenas de origem vegetal, mas também existe a confusão de que galinha caipira é aquela que é criada livre, ciscando etc.

As diferenças entre o ovos de granja, caipira ou orgânicos

“Granja”, “caipira”, “orgânico” – as embalagens dos ovos trazem informações valiosas que dizem respeito à forma como são criados os animais que deram origem a eles. No entanto, a linguagem utilizada nem sempre é clara e muitas vezes pode confundir o consumidor. A ARCA Brasil, em sua Campanha Pelo Fim do Confinamento Intensivo Animal em parceria com a Humane Society Internacional , já falou sobre a diferença entre as galinhas poedeiras criadas em sistema de gaiolas em bateria e aquelas criadas com mais liberdade . Veja abaixo como distinguir a procedência dos ovos quando for fazer compras.

A cor da casca do ovo dá apenas informações sobre raça da ave que deu origem a ele, e não sobre a forma como ela foi criada. Por isso, as denominações “ovos brancos” e “ovos vermelhos” diz respeito apenas à cor externa, assim como as denominações “jumbo”, “extra”, “grande”, “médio”, “pequeno” e “industrial” apenas permitem saber o peso aproximado do ovo. Já no que diz respeito ao método de produção, existem três tipos de ovos, segundo definição do Ministério da Agricultura:

Ovos de granja (ou convencionais)
Pode não parecer, mas os ovos rotulados dessa forma são aqueles produzidos de forma convencional, normalmente em sistemas fechados onde as galinhas são confinadas em “gaiolas em bateria”, que não lhes permitem sequer esticar as asas. As aves que põem os “ovos de granja” também têm seus bicos cortados com uma lâmina quente e podem ser submetidas à muda forçada. Sua alimentação é exclusivamente à base de ração, por vezes reforçada com aditivos que garantam a máxima produtividade de ovos.

Entre os ovos produzidos em sistema convencional há ainda os “ovos enriquecidos” ou “vitaminados”, ou ainda “ovos pufa” – estes são normalmente enriquecidos com Ômega 3 e/ou vitamina E que foram adicionados à ração das aves. Já os “ovos light” prometem menos colesterol do que os normais. Contudo, nada disso diz respeito ao sistema de criação ou ao bem-estar animal. De toda forma, a validade deste enriquecimento dos ovos é questionada por nutricionistas, já que seria necessário comer uma quantidade de ovos além do adequado para obter quantidades relevantes de ômega 3 e vitamina E. Quanto aos ovos menos calóricos, as aves responsáveis por sua produção teriam de passar por dietas especiais que tornariam irregular a quantidade dos nutrientes presente neles.

Segundo a organização de proteção animal Humane Society International (HSI), o principal problema das gaiolas é “a severa restrição do movimento e a privação da oportunidade de exibir comportamentos naturais importantes”. Por exemplo: esse tipo de sistema impede a nidificação, ato de buscar uma área isolada em que o animal possa cuidadosamente limpar uma superfície de solo para preparar seu ninho. Além disso, galinhas engaioladas sofrem com a perda de resistência óssea e fadiga de gaiola – distúrbio em que o sistema esquelético se enfraquece e pode levar a fraturas, paralisia e morte. Os bicos das galinhas são retirados, pois com o stress de ficarem presas e tão perto umas das outras elas se tornam aves canibais e bicam as companheiras ou se bicam num processo de estress constante. Por isso tiram o bico da maioria das aves de granja. O que faz com que elas fiquem ainda mais doentes e precisem de mais remédios…

A produção em gaiolas convencionais foi proibida em toda a União Europeia em 2012 e leis em três estados americanos – Michigan, Ohio e Califórnia – já foram aprovadas para restringir o confinamento de poedeiras em gaiolas. A Índia proibiu em Maio de 2015 a criação de animais em gaiola. No Brasil, mais de 70 milhões de galinhas ainda são confinadas em gaiolas.

Outro ponto importante do sistema convencional é a alimentação das galinhas. A ração varia conforme a idade da ave, pois suas necessidades mudam ao longo do ciclo produtivo. Basicamente, há uma boa fonte de cálcio (há uma alta demanda para a produção da casca do ovo), milho (fonte de energia), soja (fonte de proteína e aminoácidos), farinhas de origem animal (fonte de proteína), premix vitamínico e mineral.

Vale lembrar que hoje em dia, mais da metade da soja e do milho produzidos no Brasil são de origem transgênica.

Além disso, as farinhas de origem animal mencionadas acima, são colocadas nas rações e consistem em uma mistura de subprodutos não comestíveis de bovinos, suínos, aves e peixes, como penas, carcaças, carnes e vísceras. Além de serem fontes de proteína de baixo custo,  são uma forma de escoar os resíduos oriundos dos abatedouros. E que produtor conta isso em sua embalagem? Sem contar que as granjas-fábrica são mais propensos a infecções pela bactéria Salmonella, responsável por intoxicação alimentar que pode levar à morte.

Ah! E pra quem come maionese, não vamos esquecer que ela (a da Hellman’s inclusive) é feita com ovos de granja (ou convencionais), ok?

Ovos Caipira, Tipo Caipira ou Estilo Caipira
De acordo com a legislação estes ovos devem ser produzidos por galinhas criadas em sistemas extensivos (sem gaiolas), que podem ciscar e “pastar” pelo terreiro, com ninhos em locais cobertos para a postura dos ovos. A alimentação é feita com ingredientes exclusivamente de origem vegetal, sendo proibido o uso de remédios para o crescimento, antibióticos e pigmentos na ração. Também podem ser rotulados como “ovos de capoeira”, “ovos colonial” ou “ovos tipo colonial”. Existem ainda os “ovos caipira Label Rouge” – produzidos a partir de uma linhagem de galinhas caipira importada da França, a Label Rouge. Infelizmente, este tipo de produção nem sempre é certificada por um órgão terceirizado.

Ovos Orgânicos
As principais características do ovo orgânico são a alimentação orgânica das aves (todos os seus alimentos são produzidos sem o uso de agrotóxicos e fertilizantes químicos) e o respeito ao comportamento natural e bem-estar da ave (são proibidos procedimentos como a debicagem e o confinamento em gaiolas). Também é vedado o uso de promotores de crescimento e antibióticos na ração. Para aprovação do selo orgânico, o produtor deve apresentar certificado emitido por uma entidade certificadora terceirizada que segue parâmetros ditados pelo Ministério da Agricultura.

Estudos organizados pela Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP em 1991 demonstraram que os ovos de aves criadas soltas possuem cerca de quatro vezes mais vitamina “A” (essencial para regeneração da pele e das mucosas) que os de granja. A mesma pesquisa constatou que, como as galinhas não recebem rações comerciais, os ovos não contêm resíduos de antibióticos e de outros produtos químicos.

Para os ovos orgânicos o meu destaque pessoal vai para os ovos da felicidade da Vila Yamaguishi. Um lugar que há 27 anos produz ovos e alimentos orgânicos pensando no bem-estar humano (de quem cuida dos animais e da plantação) e dos animais.

Pude conhecer mais de perto a história deles e fiquei apaixonada pelo carinho e respeito que eles vivenciam no dia-a-dia. Quer ler o post sobre a visita que fiz a Vila Yamaguishi? Clique aqui e conheça um pouco da Vila da Felicidade!

Certificação Humanitária no Brasil
Simultaneamente à Campanha pelo Fim do Confinamento Intensivo Animal, a Ecocert (empresa certificadora) lançou no Brasil o mundialmente respeitado selo Certified Humane, que pode ser conferido aos criadores que respeitam diversos critérios de bem-estar. No país, onde o selo é recente, já há dois grandes produtores habilitados: o Grupo JD e a Korin Agropecuária. O primeiro teve reconhecida sua produção de bois e suínos para corte; o segundo, a de frango para corte e de galinhas poedeiras. Se você ainda não está preparado para adotar uma dieta vegana, consuma um produto mais responsável. Fique atento para esse logotipo na embalagem dos produtos de origem animal.

Propaganda enganosa é crime
Se você encontrar embalagens de “ovos de granja” (criados em gaiolas) com fotos de aves ciscando ao ar livre – sugerindo que os animais não foram confinados – ou com palavras que confundam o consumidor quanto à origem do alimento, denuncie! A regulamentação brasileira proíbe nos rótulos qualquer indicação, por escrito ou ilustração, que passe falsa impressão e que forneça uma idéia errônea da origem e qualidade do produto.

Todo rótulo deve ser aprovado e registrado no DIPOA (Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal) e trazer impressa a declaração do registro e número. No caso dos ovos, as embalagens devem apresentar ainda o carimbo da Inspeção Federal.

* Evitei o uso de fotos dos processos de criação das galinhas de granja, pois acredito que todos já devem saber como é a produção em cadeia dessas galinhas que têm seus bicos cortados e são mais gordas por causa das condições em que “trabalham” e dos aditivos que recebem para produzirem mais. Não gosto de usar essas imagens, pois acho sempre chocante ver o sofrimento dos animais. Fiz o post para conscientizar as pessoas e para que cada um saiba fazer a melhor escolha para si e para sua família.

Fonte: material da Humane Society of United States
Fonte: TV Ecológica
Fonte: Super Interessante

Comentários Facebook

Comentários

Posts Relacionados

Comentários

  1. Permalink Submitted by Vera Bueno on dom, 25/06/2017 - 22:37

    Boa noite!
    Moro na cidade do Rio de Janeiro, bem longe da zona rural, infelizmente. Portanto, tenho que comprar produtos que são vendidos em mercados. Sou vegetariana. Comprei ovos caipira ITO Country, mas não estou muito confiante de que as galinhas sejam criadas soltas, conforme o rótulo da embalagem.
    Por estes ovos paguei bem mais caro do que os ovos de granja.
    Gostaria de ter certeza de que compro um produto que não judia dos animais.
    Obrigada.
    Vera Bueno

    • Permalink Submitted by Bianca Pulice on qua, 12/07/2017 - 22:56

      Oi Vera!
      É difícil mesmo confiar nos ovos que são vendidos no mercado.
      O ideal é você optar por ovos que tenham selo de orgânico ou o selo de bem-estar animal.
      São mais caros, mas pelo menos você tem essa certeza.
      Espero ter ajudado! :)

  2. Permalink Submitted by IDIENE APARECIDA VITOR PROENÇA PÁDUA on ter, 29/12/2015 - 11:21

    Parabéns, Bianca, pelo blog! Todas as matérias são bem escritas e elucidativas! O respeito a natureza deve ser nosso maior princípio!

    • Permalink Submitted by Bianca Pulice on ter, 05/01/2016 - 21:06

      Obrigada pela visita, Idiene!
      Volte sempre! :)

  3. Permalink Submitted by Ricardo Duran on sex, 04/12/2015 - 23:01

    Não acredito em orgânico 100%, pois o milho, soja, milheto e até o algodão são trangenico, já começa por aí, ração organica menos ainda, pois os produtos acima são utilizados na fabricação, a grande verdade é que isso é para ingles ver, galinha de granja criada solta, pouquissima diferença na coloração da gema somente o gosto que fica + forte, crio galinha a 40 anos, cresci em uma fazenda praticamente, e se acabarem com os confinamentos vai faltar ovos no mercado, quanto ao comentario em relação a mesma marca com ovos diferentes, tenham a certeza que não foi o dono do estabelecimento e sim o fornecedor da marca, algo comum no brasil do jeitinho. A maioria destas galinhas poedeiras foram modificadas geneticamente, então como podem ser organicos os ovos ?

    • Permalink Submitted by Bianca Pulice on seg, 07/12/2015 - 18:00

      Oi Ricardo!
      Sim, grande parte da produção de milho e soja são transgênicos.
      Mas ovos com selo orgânico passam por auditoria em sua produção. Se utilizarem rações com ingredientes transgênicos, perdem o selo de orgânico.
      O consumidor tem que acreditar nos selos, senão o que nos resta?
      Obrigada pela visita! :)

  4. Permalink Submitted by Alexandre Scortegagna on dom, 11/10/2015 - 21:33

    Olá, eu já tenho uma pequena produção de ovos de colônia, (galinhas caipira) elas estão soltas, num grande pátio, com grama, eu planto meu próprio milho, no local temos água em abundância, sempre corrente, possuímos as gaiolas em uma casa para o abrigo das mesmas, mantendo sempre um conforto para as mesmas (galinhas) enfim sempre procurar fazer o melhor, para entregar ao consumidor um produto saudável e natural.
    Mas o quê eu gostaria de vocês, e ser informado, qual seria além do milho, um produto vegetal, (não químico) para o consumo de minhas galinhas caipiras? oculto a minha pergunta está, como posso manter um plantel sempre saudável, livre de doenças, penso que a empresa KORIN, também sempre volta-se para o melhor de suas matrizes, pois esta é que irá dar, ovos de boa qualidade, gostaria muito de receber vossa resposta, assim iremos conversando e trocando idéias, pretendo um dia, ser fornecedor deste produto, a empresa que quiser absorver minha produção, sempre presando ela ética da boa qualidade e produtos saudáveis, desde já agradeço pela vossa atenção, felicidades. Alexandre

    • Permalink Submitted by Bianca Pulice on ter, 13/10/2015 - 02:17

      Oi Alexandre!
      Que bom que você preza pela saúde e bem-estar das suas galinhas! :)
      Sinceramente, não sou a pessoas mais indicada para te dizer sobre o que você pode dar como ração para suas galinhas.
      Talvez no site da Korin, Vila Yamaguishi ou procurando por ração de galinhas orgânicas de repente você ache algo.
      Obrigada pelo contato!
      Abraços!

  5. Permalink Submitted by salvador on qui, 01/10/2015 - 22:08

    Pelo que entendi, os ovos para serem orgânicos devem ser de origem de uma criação de galinhas que se alimentem de alimentos sem processos químicos em sua composição. O pasto pode ser orgânico ou não, a ração também. Então para ser orgânico se a alimentação for no pasto, que seja um pasto orgânico, sem uso de herbicídas por exemplo, se for alimentadas com ração, que os componentes da ração tenham sido produzidos segundo as técnicas da produção orgânica. E também ressaltar o bem estar dos animais. Muito bom. Um desafio pois fica claro que o preço do produto orgânico deve ser maior, mas acreditando que um produtor orgânico para ser coerente com a proposta da cultura orgânica, não coloque o lucro em primeiro lugar, podemos pensar em valores próximos aos praticados com os produtos não orgânicos.

    • Permalink Submitted by Bianca Pulice on sex, 02/10/2015 - 20:03

      Oi Salvador!
      Sim, ovos orgânicos vêm de galinhas que são bem tratadas, ciscam, bebem água, não ficam enjauladas etc.
      Além disso, a ração das galinhas é orgânica e elas não são tratadas com antibióticos.
      O custo acaba sendo mais alto mesmo, pois a produção orgânica é menor.
      Eu prefiro pagar mais sabendo que não estou ajudando essa indústria que só pensa em dinheiro e ainda assim cuido da minha saúde não me alimentando com veneno, antibióticos e energia ruim de galinhas mal tratadas.
      Se a demanda começar a aumentar, aí outros produtores podem começar a produzir ovos orgânicos e com uma oferta maior o preço tende a abaixar.

  6. Permalink Submitted by Marcia Saiz on seg, 24/11/2014 - 16:23

    Prezados,
    Comprei ovos da KORIN – uma caixa com o selo da Humane, e outra sem – ambas com o mesmo preço. Quando cheguei em casa, ao quebrar os ovos, me deparei com a gema CLARA, totalmente fora dos parâmetros da KORIN, ou daquilo do que o consumidor espera dos ovos da marca. Fui ao HORTIFRUITI (Av. Prado Junior, 257, loja D, Copacabana) e o gerente me garantiu que o ovo não era orgânico, que a cor, mesmo sendo CAIPIRA, era aquela. Obviamente, não aceitei e troquei os produtos. Será que a loja anda trocando os ovos? Já havia tido o mesmo problema com os ovos CAIPIRA da marca ITO, que troquei ao perceber. Agora, sempre que compro ovos caipira, não-orgânicos, guardo a embalagem para qualquer eventualidade. Que fazer? Como reclamar???? Como saber se a HORTIFRUTI anda colocando ovos convencionais em embalagens da KORIN????
    Obrigada,
    Marcia (24/11/2014)

    • Permalink Submitted by Bianca Pulice on qui, 11/02/2016 - 01:09

      Complicado mesmo Marcia.
      Mas infelizmente não sei como podemos saber se a loja troca ou não.
      Se você perceber o mesmo problema outras vezes, troque de loja, pois esta não é muito confiável.
      Nunca aconteceu comigo, mas é sempre bom estarmos atentos!
      Obrigada pela visita!

      • Permalink Submitted by Michele on seg, 15/08/2016 - 21:49

        Mas os ovos da Korin geralmente têm a gema mais clara mesmo! Até no SAC eles falam sobre isso:

        http://www.korin.com.br/fale-conosco/perguntas-frequentes/

        Porque a gema do Ovo da Korin às vezes é mais clara?
        A coloração da gema varia de acordo com as quantidades de substâncias pigmentantes ingeridas. Estas substâncias estão presentes no milho, principal ingrediente da ração fornecida as aves e também em níveis que variam de acordo com a época do ano. A Korin não realiza a adição destes pigmentantes na ração, por isso a coloração da gema varia, mas isto não altera os níveis nutricionais do ovo e não o desqualifica para o consumo.

Envie seu comentário