Sabores dos Biomas do Brasil

Finalmente consegui parar para escrever um post sobre o projeto Sabores dos Biomas do Brasil inaugurado ano passado no Mercado de Pinheiros.

O mercado desde o ano passado em um projeto da Prefeitura de São Paulo e alguns parceiros está sendo modernizado. Novos restaurantes, cafés, empórios estão começando a figurar no segundo andar como uma opção bem interessante de almoço na região. É o caso da cevicheria de Cecho Gonzales, a pizzaria Napole Centrale (com um forno importado da Itália) e o Mocotó Café inaugurados há não muito tempo. No andar de baixo, a ideia foi começar pelos boxes com os sabores dos biomas do Brasil.

Divididos em três boxes, os cinco biomas brasileiros: Amazônia, Cerrado, Caatinga, Pampa e Mata Atlântica estão representados por meio de ingredientes e artesanatos regionais. Cerca de 600 itens estão expostos nas prateleiras e a ideia é que este número aumente.

Caatinga e Cerrado

A empresa Central do Cerrado e o restaurante Mocotó ficaram responsáveis pela curadoria do espaço destinado à Caatinga e ao Cerrado. Por lá, encontram-se insumos à base de pequi, umbu e castanha-de-baru, por exemplo.


Pampa

O bioma da região do extremo Sul do país conta com a curadoria de Marcos Livi, do restaurante Quintana. São em média 60 produtos entre queijos, salames, pimentas e a tão querida, erva-mate.

 

Mata Atlântica e Amazônia

Idealizador do Instituto Atá, Alex Atala tem ajuda dos Institutos Auá e Socioambiental (ISA) para apresentar produtos da Mata Atlântica e da Amazônia. Entre os sabores, tucupi, jambu, castanha do Pará, queijo do Marajó e diversos insumos à base de cambuci (a fruta símbolo da cidade de São Paulo, mas que poucos conhecem) têm seu destaque. Esse box foi o meu preferido. É o único que tem plantas (inclusive para vender). Também é o maior e com a disposição dos produtos quase que como uma galeria de arte.

A ideia dos boxes é trazer ingredientes tão típicos da culinária regional de cada um desses biomas para que mais pessoas possam conhecê-los e valorizá-los. Alex
Atala é um chef que preza muito pelos ingredientes nativos (para quem não assistiu, recomendo o episódio de Chef’s Table, uma série do Netflix com ele).

Todo o projeto dos boxes é muito bem feito. Tudo muito simples, quase minimalista, mas com um toque aconchegante e elegante. Os preços são bem variados e dá pra levar até um presente de lá. Quem não adoraria ganhar uma cachaça de jambu?

Senti falta de uma degustação de produtos em cada box. Como vou comprar um produto a base de pequi se não faço ideia se gosto ou não do ingrediente?

O legal de passear no Mercado de Pinheiros é essa mistura de estilos, o moderno com o rústico, um mix de sabores, de culturas, de aromas, pessoas e estímulos visuais e sonoros. Se tiver a chance, visite o “novo” Mercado de Pinheiros. Mas pra não dizer que não avisei, sábados costumam ser dias lotados por lá!

Mercado de Pinheiros
Endereço: Rua Pedro Cristi, 89 – Pinheiros
Horário de Funcionamento: 2a. a sáb: 08h às 18h

Comentários Facebook

Comentários

Posts Relacionados

Comentários

Envie seu comentário